Mentes que visitam

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Competência para julgar violação de direitos autorais na internet

Por Rebeca Garcia e Eduardo Salles Pimenta
Em um mundo globalizado, tem sido recorrente os atos violativos praticados na rede de computadores – internet (artigo 5 da lei 12.965/2014), a gerar para o titular de direitos autorais, o direito sucessivo em obter a indenização, pela via da prestação jurisdicional ao Estado.
A competência jurisdicional territorial para a violação de direitos autoraiscometida na internet, é definida pelas disposições do Código de Processo Civil.
E por consequência a declaração de incompetência proferida pelo juiz de primeiro grau no processo civil e a via recursal revisional. Demonstraremos que existe o remédio processual a rever a declaração de incompetência, ainda que o agravo de instrumento, pelo Código de Processo Civil é inadmissível o seu uso rever a decretação de incompetência territorial.
A violação de direitos autorais ocorrida na internet.
Partindo da premissa contida no artigo 5II da Constituição Federal, em garante que todos estamos subordinados ao que fixa a lei. Ao que assinala a lição de José Afonso da Silva: “a submissão e o respeito à lei ou atuação dentro da esfera estabelecida pelo legislador”.[1]
O titular de qualquer direito material, enunciado em lei, ao vê-lo violado tem a prerrogativa de exercer a proteção jurisdicional, pela reivindicada prestação jurisdicional.
Pela simples leitura do disposto no citado dispositivo, associado a garantia do artigo XXVII e XXVIII da Carta Política.
A sua regulamentação está na Lei 9.610/98, que define os direitos autorais, como sendo os direitos de autor e os que lhe são conexos (artigo 1). Os direitos autorais, com seu duplo conteúdo moral e patrimonial pertencem ao criador (artigo 22 da Lei 9610/98).
Conceitualmente os “direitos autorais são o conjunto de prerrogativas jurídicas atribuídas, com exclusividade, aos autores e titulares de direitos sobre obras intelectuais (literárias, científicas e artísticas) para opor-se a todo atentado contra estas prerrogativas exclusivas” [2]
O direito de autor não está no suporte material. O suporte material apenas permite identificar a obra. Contudo, quando o suporte material, autorizadamente pelo autor, é transformado para a linguagem binária, para o meio intangível, pode haver a reprodução idêntica e indiscriminada.
As obras intelectuais são compostas de uma forma interna (conteúdo) e de uma forma externa (a expressão), e quando inseridas na rede (internet) sofrem transformação, por ter alterado seu corpus mechanicum, que por vezes é analógico, passando a ser digital. Tal ação, por vezes, pode acarretar a alteração da forma interna da obra intelectual, modificando-a, violando sua integridade. Tal ação, pode, considerando o prazo de proteção da obra e a ausência de autorização do autor, vir a consistir em violação de direitos autorais. Com a autorização do titular do direito de transformação/modificação, o autor da nova obra — obra derivada, torna-se autor sobre está última, sem prejuízo dos direitos do autor da obra originária.
Indicado para você: TST condena empresa de jornalismo que revendeu fotografias sem autorização
Kohler, conceitou: “la forme du contenu, révélée par une activité intellectuelle et qui correspond à la vision interne de l’auteur, est la forme interne, tandis que la forme de l’expression, directement perceptible, est la forma externe.” [3]
A conversão da obra intelectual analógica para a desmaterialização na linguagem binária (digital), ou seja, a numeralização da obra (zeros e uns), não modifica a natureza jurídica do direito de autor, mas muda a natureza do suporte material. A técnica numérica aplicada sobre um suporte material em que contenha uma obra intelectual, possibilita a multiplicação infinita da obra, sem poder distinguir a cópia do original.
Dina Herrera cita que no Glossário da OMPI, transformação “es ‘la adaptación u otra transformación de una obra’, y transformación de una obra literária o artistica es ‘cualquier modificación de una obra preexistente’.”[4]José Oliveira Ascensão explica o que vem a ser transformação: ”A transformação, mantém a forma interna e só altera a forma externa; mas nestes casos não é só a forma externa que muda, é também a forma interna.”[5]
As transformações sofridas pelo suporte material de forma a manter a criação íntegra, são geralmente técnicas, como por exemplo de analógico transformado para meio digital. Todavia, a transformação da forma externa, poderá haver, não raro, modificação de seu conteúdo, ou seja, de sua forma interna. A exemplo a obra audiovisual em 2D para 3D e vice-versa, conforme tecnologia disponibilizada nos aparelhos de TV em LED, vista com e sem óculos específicos. A modificação é legalmente uma prerrogativa de direito moral do autor (artigo 24IV da Lei 9.610/98), que consiste na alteração interna (direta ou indiretamente, sendo, neste último caso, eventual conseqüência da transformação do corpus mechanicum) da obra. A alteração interna da obra implica na violação à integridade da obra, por alterar a criação do autor.
Assim por respeito à lei, como dever jurídico originário (obrigação) e o seu desrespeito o dever jurídico sucessivo, tem-se a responsabilidade civil.
Ao número crescente de usuários de smartphone e computadores, por conseguinte a maior incidência de uso sem autorização de obra intelectual (violação de direitos autorais), em razão do meio ocorre na internet. A questão que desponta, ante essa constatação de violação de direitos autorais na internet é: qual é o local de propositura da ação para requer a prestação jurisdicional do dever jurídico sucessivo. Por consequência a definição da competência. Passamos ao tema processual.
Da competência
“A Competência é a atribuição a um dado órgão do Poder Judiciário daquilo que está afeto, em decorrência da sua atividade jurisdicional, especifica, dentro do Poder Judiciário, normalmente excluída a legitimidade simultânea de qualquer outro órgão do mesmo poder. (ou fortiori de outro poder)” [6], assim leciona desembargador Arruda Alvim.
O desembargador Araken de Assis, por seu sentir, conceitua: “(…) parece fácil distinguir a jurisdição da competência. Aquela é o poder abstrato atribuído ao conjunto de órgãos jurisdicionais; esta, a fixação específica do poder no órgão. Tende a doutrina, universalmente, à consideração de que a competência é a medida da jurisdição. Esta simpática e expressiva fórmula se ostenta algo imprópria, na realidade, pois o poder exercitado por cada órgão timbra pela mesma qualidade e quantidade, ou seja, não se distingue nas ‘medidas’, conquanto recaia sobre lides diferentes. Na verdade, á competência impõe limites ao juiz, para que ele possa legitimamente exercitar seu poder jurisdicional”.[7]
A competência para a prestação jurisdicional, em respeito ao princípio da reserva legal, é definida pela lei, dispõe o Código de Processo Civil: Art. 44. Obedecidos os limites estabelecidos pela Constituição Federal, a competência é determinada pelas normas previstas neste Código ou em legislação especial, pelas normas de organização judiciária e, ainda, no que couber, pelas constituições dos Estados.
Considerando o disposto no CPC, artigo 42 combinado com o artigo 43, evoluímos na lição processual civil, o professor Arruda Alvim, destaca a divisão tripartida da competência, sobre a exegêse do Código de Processo Civil de 1973: “Todos os critérios de classificação da competência, basicamente, partem dos elementos componentes do processo. A divisão tripartida da competência é tida como clássica, vale dizer, tem sido adotada pela maioria dos processualistas contemporâneos e o foi pela nossa lei. Esse critério parte de três divisões básicas: a) a competência objetiva — embora a lei não se utilize deste objetivo — compreende a competência determinável, quer em razão da matéria (absoluta, artigo 111[8]), quer em razão do valor (relativa, artigo 111[9]); é disciplinadora da competência de juízo; b) a competência territorial (relativa, artigo 111) é regulamentadora da competência do foro; c) a competência funcional (absoluta, artigo 11, que se refere à competência hierárquica, espécie da funcional).”[10]
O ordenamento jurídico com diversos diplomas legais, dentre os quais, aquele que enuncia o princípio da reserva legal, pelo artigo 5II, a Constituição Federal. E a lei ordinária (Lei 9.610/98) que protege os direitos autorais, contudo fixa no Código de Processo Civil (Lei 13.105/2016) em seu artigo 53, IV, a: É competente o foro: (…) do lugar do ato ou fato para a ação: (…) de reparação de dano; (…)
Portanto, a internet como veículo de comunicação a integrar o mundo, em uma rede computadores. No Brasil abrange todo território nacional, daí o local de acesso na internet, em que teve ciência da violação (local do fato) é o local de competência jurisdicional, para propositura da ação em que reivindique o dever jurídico sucessivo.
Decerto, que enfocando a análise da competência fixada pela doutrina e pela lei processual civil, para as questões inerentes as violações cometidas na internet, verifica com ampla repercussão no processo civil.
Exposto a competência para o pleito do dever jurídico, de maneira conceitual e a sua definição civil, descortina a questão da incompetência reconhecida pela declaração de oficio do Judicante na área cível.
Da declaração de incompetência no processo civil.
A declaração de incompetência é o reconhecimento, pelo judicante, da legitimidade para a prestação jurisdicional. O ato de declaração de incompetência pelo juiz de 1 grau é faculdade do judicante, observado os limites legais, dentre eles o contido na Súmula 33 do Superior Tribunal de Justiça: “A incompetência relativa não pode ser declarada de ofício.” Vale indicar a observância do artigo 113 § 2 do CPC.
A parte lesada o direito de recorrer dessa decisão por força constitucional. Mas qual seria o recurso admitido no atual Processo Civil? É o que veremos.
O procedimento revisional da decisão de 1 grau que declara sua incompetência
É inerente as partes a faculdade constitucional insculpida no artigo 5LV (a ampla defesa e contraditório) da Constituição Federal.
Decerto, que respeitando o dispositivo constitucional fixado no art. 5XXXVda Constituição Federal, para rever a lesão ou ameaça a direito líquido e certo, a opção é a via do mandado de segurança.
Do mandado de segurança contra declaração de incompetência.
A via recursal para cumprimento do disposto no artigo 5LV da Constituição Federal, como meio revisional de decisão de declaração de incompetência jurisdicional, de maneira a garantir o direito líquido e certo (art. 5LXIX da CF c/c art. 5II da Lei 12.016, de 7 de agosto de 2009), por ausência de previsão de recurso especifico é o mandado de segurança.
Em precedente, destacamos o julgado do Tribunal de Justiça de São Paulo: MANDADO DE SEGURANÇA – Alegada violação de criação intelectual por meio da internet – Competência – Decisão judicial que reconheceu de ofício incompetência relativa – Inviabilidade – Inteligência dos artigos 6465 e 337, inc. II e § 5º do CPC – Possibilidade de prorrogação da competência – Prosseguimento do feito na origem resguardado o contraditório – Liminar mantida – Segurança Parcialmente Concedida. TJSP – 2008582-62.2017.8.26.0000 Mandado de Segurança / Direito Autoral – (Relator (a): Egidio Giacoia; Comarca: São Paulo; Órgão julgador: 3ª Câmara de Direito Privado; Data do julgamento: 09/03/2017; Data de registro: 09/03/2017)
A interposição de Mandado de Segurança, para recorrer da decisão que declara a incompetência jurisdicional, na ação de violação de direitos autoraiscometido na rede de computadores: internet, é a medida eficaz, ante especificações arroladas pelo artigo 1015 do CPC a admitir o agravo de instrumento.
Conclusão
A violação de direitos autorais (moral e patrimonial) na internet, tem uma abrangência instantânea no território nacional, em tem como foro para a prestação jurisdicional, o local do fato ou do ato (artigo 53IVa do CPC), que pode vir a ser qualquer foro dentro do território nacional, pois o acesso à internet — ambiente da violação de direitos, que ora versamos — também ocorre por satélite, quer em computador ou smartphone.
Contudo, se por decisão interlocutória, o judicante declarar a incompetência e determinar a remessa da ação a outra comarca, a via recursal para a revisão dessa decisão, por ser direito previsto no artigo 5LV da Constituição Federal, é o mandado de segurança (artigo 5LXIX da CF combinado com o artigo 5IIda Lei 12.016/ 2009), pois não há previsão legal em nenhum recurso processual civil, nem no Agravo de Instrumento, que tem rol taxativo com especificações de inadmissibilidade recursal — artigo 1.015 do CPC
[1] – p.26 José Afonso da Silva – Curso de Direito Constitucional Positivo – 5ª ed. 1989
[2] PIMENTA, Eduardo e PIMENTA, Rui Caldas. Dos Crimes contra a Propriedade Intelectual, 2ª ed., SP: RT, 2005, p. 29.
[3] p.49 – ob.cit. “A forma de conteudo revela-se por uma atividade intelectual que corresponde a visão interna do autor, esta é a forma interna, tendo que a forma de expressão, diretamente percebível é a forma externa.”
[4] p.56 – Propriedad Intelectual Derechos de Autor – Editorial Jurídica do Chile – Chile – 1999
[5] p.177 – Direito Autoral – 2ed.- ed. Renovar – Rio – 1997
[6] P.295/296 – Manual de Direito Processual Civil – Vol. 1 – Parte Geral – 8 ed. – São Paulo: ed. RT – 2003
[7] ASSIS, Araken de. Manual da execução. 9. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005, pág. 318 e 319
[8] Art. 62 do CPC/2016
[9] Art. 63 do CPC/2016
[10] Ob. Citada p,304/305
Fonte Revista Consultor Jurídico | Por Rebeca Garcia e Eduardo Salles Pimenta| Clipping LDSOFT

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Orçamento participativo: cidadão define como será aplicado o dinheiro público

A participação popular é indispensável para o bom funcionamento de uma democracia. No Brasil, embora muita gente não saiba, já existem várias formas de participar da política. Uma delas é o orçamento participativo.
O orçamento participativo é um mecanismo governamental de democracia participativa que permite aos cidadãos influenciar ou decidir sobre os orçamentos públicos, geralmente o orçamento de investimentos de prefeituras municipais para assuntos locais, através de processos de participação da comunidade. Os resultados costumam ser obras de infraestrutura, saneamento, serviços para todas as regiões da cidade.
No orçamento participativo, o poder de decisão passa da alta burocracia e de pessoas influentes para toda a sociedade. Isso reforça a vontade popular para a execução das políticas públicas. Outro benefício do orçamento participativo é a prestação de contas do Estado aos cidadãos.
O orçamento participativo reforça a transparência por meio da publicação de informações orçamentárias e pela prestação de contas das autoridades e dos delegados do OP. Esses mecanismos geram confiança e melhoram a qualidade da governança nas cidades – e assim, contribuem para reduzir a corrupção e o mau gasto dos recursos públicos.
Mas sobretudo, os maiores benefícios são o desenvolvimento de uma cultura democrática dentro da comunidade e fortalecimento da sociedade local, inclusive na criação de lideranças locais que representam a vontade das suas comunidades.
O orçamento participativo ocorre por meio de assembleias abertas e periódicas, que incluem etapas de negociação direta com o governo. Depois, as deliberações nessas assembleias são consideradas na elaboração da proposta da Lei Orçamentária Anual, que será enviada para a câmara municipal.
1. O que diz a lei sobre o Orçamento Participativo?
Constituição de 1988 obriga os municípios a adotar como princípio na elaboração das leis orgânicas a “cooperação das associações representativas no planejamento municipal” (artigo 29, inciso XII).
Além disso, o Estatuto da Cidade (Lei 10.257/01), em seu artigo 44, determina que a gestão orçamentária participativa é condição obrigatória para que a Câmara Municipal aprove o Plano Plurianual, a Lei de Diretrizes Orçamentárias e a Lei Orçamentária Anual. O Estatuto da Cidade ainda especifica que a gestão orçamentária participativa deve incluir a realização de debates, audiências e consultas públicas.
2. Como funciona o Orçamento Participativo?
2.1. Assembleias locais e setoriais: Nessas assembleias, o prefeito relata aquilo que foi realizado e que não existia no período anterior, apresenta o plano de investimentos e as regras do processo do orçamento participativo. Os delegados locais e setoriais (temáticos e por questões específicas) do orçamento participativo são eleitos (ou designados), com base em critérios estabelecidos no conjunto de regras.
2.2. Reuniões locais e setoriais: São reuniões entre os delegados e as comunidades. Elas podem acontecer sem a presença das autoridades, se os delegados desejarem. Nessas reuniões, os participantes decidem os projetos prioritários que serão executados.
2.3. Câmara Municipal: Após as reuniões, o orçamento participativo chega à Câmara. Este é um evento onde o Comitê do Orçamento Participativo entrega oficialmente ao Prefeito a lista de projetos prioritários definidos através da participação dos cidadãos. É nesse evento que os membros do Comitê do Orçamento Participativo são oficialmente instalados.
2.4. Desenho da matriz orçamentária: O município e o Comitê do Orçamento Participativo fazem o desenho da matriz orçamentária. Estes são momentos essenciais e também os mais controversos do processo. O Plano de Investimento é criado, compartilhado com a população e, em seguida, publicado para ser usado no monitoramento e no cumprimento do que foi acordado.
2.5. Avaliação do processo: Uma vez concluído o ciclo, as regras do processo do OP são avaliadas e ajustadas. As novas regras são usadas no ano seguinte. O primeiro ciclo vai das primeiras reuniões nos bairros, sendo concluído com a aprovação da matriz orçamentária.
É importante ressaltar que, para a implantação desse mecanismo, é importante que haja vontade política do prefeito e a presença e interesse de representantes da sociedade civil e da população em geral. Também é necessário que as regras de funcionamento e tomada de decisão do OP sejam bem definidas pelas partes interessadas, assim como os valores destinados aos programas. Capacitar a população e as autoridades municipais sobre o orçamento público e o orçamento participativo auxiliará no sucesso da implantação do OP.
Ademais, é preciso esclarecer quais as áreas de gastos públicos são da responsabilidade do município e quais estão fora do alcance das autoridades locais. Estas precisam ser determinadas com a ampla participação da população e ajustadas posteriormente, a cada ano, com base nos resultados e no funcionamento do processo. Dessa forma, com a população e o governo em acordo e conhecimento acerca do orçamento, será possível obter maior sucesso nas negociações e tomadas de decisão e o exercício da cidadania seja aperfeiçoado progressivamente.
Outra condição para que o orçamento participativo funcione é a ampla divulgação das informações, através de todas os meios possíveis. A população deve ser informada sobre as datas e locais das reuniões, bem como sobre as regras do jogo.
O orçamento participativo é uma forma inovadora de compartilhar a gestão pública com a população. Dessa forma, a sociedade deixa de ser simplesmente receptora dos serviços públicos e passa a ser coprodutora deles. As políticas públicas devem passar pelo crivo popular, para que possam atender melhor às necessidades da população. Iniciativas como o orçamento participativo qualificam a cidadania, pois criam um ambiente democrático e igualitário para a definição de prioridades da gestão pública.
3. Seria impossível colocar em prática o OS?
A Defensoria Pública do Estado do Ceará conseguiu transformar em realidade um projeto que pareceria utópico para o cidadão: o direito da própria população de determinar exatamente como será gasto o orçamento da instituição.
Desde 2016, foi instituído o projeto “orçamento participativo”, no qual os moradores de cada uma das macrorregiões do Ceará definem, por votação pessoal e virtual, as áreas em que gostariam que a Defensoria Pública atuasse.
Nesse primeiro projeto, por exemplo, a população definiu que a prioridade seria o atendimento aos casos de violência doméstica contra a mulher, problema histórico na região, e ao atendimento itinerante. E assim foi feito.
Em 2017, foi criado o Núcleo de Defesa da Mulher na região do Ceará com maior índice de violência doméstica, Cariri, além da utilização de dois caminhões para atendimento itinerante aos povos e comunidades tradicionais do Estado.
Já no orçamento de 2018, de acordo com as prioridades definidas pela população cearense, a defensoria deverá investir na ampliação do atendimento ao idoso e do núcleo de moradia, em que são tratadas questões como reintegração de posse e regularização fundiária.
O projeto foi indicado ao 14º prêmio Innovare, em 2017, realizado pelo Instituto Innovare, Ministério da Justiça, associações jurídicas e que conta com o apoio do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O prêmio tem o objetivo de identificar, divulgar e difundir práticas que contribuam para o aprimoramento da Justiça no Brasil.
A participação do cidadão na escolha das prioridades do orçamento da defensoria tem ocorrido por dois caminhos: por meio da votação eletrônica no portal da instituição e em consultas públicas locais em cada uma das macrorregiões.
Fonte: Politize e CNJ

segunda-feira, 31 de julho de 2017

3 dicas infalíveis para estudar sozinho: potencialize seus estudos

Estudar fora de um ambiente escolar e sem um grupo de apoio são duas das principais dificuldades dos alunos que vão prestar um concurso ou exame. A falta de preparação adequada e organização são os grandes vilões de quem estuda sozinho e culminam em resultados bem abaixo do esperado.
A boa notícia é que há solução para esse problema. Com uma boa dose de boa vontade e concentração, alunos que estudam sozinhos podem criar um cronograma de estudo, definir uma metodologia e potencializar os resultados.
Vale ressaltar que um cronograma de estudo bem organizado permite que você tenha maior flexibilidade na hora de dividir o seu tempo com seus estudos. Além de ganhar mais autonomia, o aprendizado é favorecido.
Veja a seguir três dicas importantes para que o estudo sozinho deixe de ser um problema.

1. Leia o texto de uma forma mais generalizada

Quando abrir um livro pela primeira vez para estudar, leia o texto de uma forma mais generalizada. Neste primeiro momento, não se apegue os detalhes, mas sim, ao contexto geral. Leia os dois primeiros parágrafos, passe os olhos nos seguintes captando fragmentos de frases e, para finalizar leia os dois últimos.
Agora que já tem uma ideia sobre o assunto que o texto trata, recomece a leitura, mas dessa vez com atenção aos detalhes.
Uma boa dica é evitar a leitura repetitiva, ou seja, ficar relendo partes do texto que já leu. Para evitar que isso acontece, use um pedaço de papel e coloque-o sobre as partes do texto que já foram lidas. Dessa forma, você se só conseguirá ler o que ainda vem pela frente.

2. Cuidado com o excesso de marcações no texto

Quando lemos um texto pela primeira vez com uma caneta marca texto na mão, a tendência é que achemos que todas as informações são importantes e merecem destaque. Isso causa um excesso de marcação que é contraproducente.
Para evitar que isso aconteça, durante a segunda leitura do texto (releia o item acima) faça uma pequena marcação no parágrafo que acredita ser relevante para o que está estudando. Depois de terminar a leitura, volte ao parágrafo e marque apenas palavras-chaves para que se lembre do que se trata.
Assim, você saberá destacar a informação importante e se lembrará do contexto ao bater o olho nela. Marcar as palavras-chaves de um texto é a técnica de criação de mapas mentais adaptada à leitura.

3. A prática leva à perfeição

A melhor maneira de saber se você está preparado para enfrentar uma prova de concurso ou um exame é colocar em prática aquilo que estudou. Por isso, faça e refaça simulados para treinar todos os pontos importantes.
Se quiser ir além, pratique o que estudou imaginando que está dando uma aula sobre o assunto a outra pessoa. O objetivo é repassar o que foi estudado sem precisar consultar o livro.
Agora é só colher os resultados! Boa sorte!

sexta-feira, 28 de julho de 2017

O efeito manada, as janelas quebradas e a coragem virtual coletiva na internet

O comportamento de manada (ou efeito manada) é um termo usado para descrever situações em que indivíduos em grupo reagem todos da mesma forma, embora não exista uma direção planejada. Esse termo refere-se originalmente ao comportamento animal.
Mas para falar desse assunto convém entender que no mundo animal nem sempre existe uma caminhada em manadas como estratégia para aumentar suas chances de sobrevivência. Eles inclusive podem se atrelar a outros formando repentinamente grupos por puro acaso.
Os elefantes, nômades, se direcionam em busca de alimento e o grupo segue a líder, a fêmea mais velha de todos. É ela quem impõe ordens e garante o alimento de todos. Agrupamentos como estes são fundamentais.
Quando o assunto são abelhas, acredite, elas sabem até votar e enquanto não escolhem o local de sua nova colmeia, ficam acampadas juntas em galhos, sempre unidas. No caso dos elefantes e das abelhas, como citado, existe essa organização. Mas não é necessariamente o que acontece em outras manadas.
Os gnus, por exemplo, correm cada um por si. A estratégia deles é se manterem em família até certo momento, mas quando precisarem migrar uma corrida desenfreada acontecerá e eles vão se separar. Morcegos são unidos, trabalham voando em fileiras durante o voo para fazer um arrastão e engolir insetos em massa, sem diferenciar tipos, tudo é bem vindo.
O efeito manada na espécie humana
Trazendo o efeito manada para a espécie humana, podemos perceber comportamentos semelhantes. Ao reparar em dois restaurantes vazios que você não conheça, certamente terá uma tendência a preferir aquele que tem mais gente, que está mais cheio. E conforme mais pessoas chegam e veem aquele restaurante cheio, mas elas querem ir para ele também, acreditando que por isso estão fazendo uma escolha melhor.
Com a moda também é assim, alguém começa a usar algo e outras pessoas copiam, até que logo todos estão parecidos e enjoam da tendência.
Nem sempre sabemos o que queremos e acabamos sendo influenciados, esse comportamento abre brechas para que aqueles que sabem usar bem as palavras, as imagens, a voz, o marketing, consigam os resultados que quiserem influenciado pessoas. Ao estudar neuromarketing todas essas possibilidades ficam muito claras, é possível manipular o cérebro humano de diversas formas.
Para o nosso cérebro, que gosta de poupar esforços, decisões do passado servem de guias inconscientes para decisões futuras. Quer um exemplo? Um estudo trackeou o que acontecia no cérebro das pessoas quando elas ingeriam refrigerante de cola, sem saber que marca era. O equipamento mostrava que as reações eram iguais, independentemente da marca que tomavam. Entretanto, quando foi anunciado que o refrigerante era Coca Cola, a área que envolve memória no cérebro foi ativada, demonstrando o quanto a marca havia criado sensações na mente do consumidor em outras oportunidades, agora refletidas quando elas ouviam se tratar daquele nome.
Falar sobre efeito manada é também falar sobre o popularmente conhecido como “maria-vai-com-as-outras”. Mas é também falar sobre a teoria das janelas quebradas, um modelo norte-americano de política de segurança pública no enfrentamento e combate ao crime, que acredita que se os pequenos delitos não forem reprimidos, condutas mais graves ocorrerão.
Um experimento: será que os vidros de um carro abandonado serão quebrados?
A Universidade de Stanford (EUA) realizou um experimento de psicologia social. Dois carros idênticos foram deixados na rua, um deles na zona pobre e outro na zona rica da cidade de Nova York. Uma equipe de especialistas acompanhou a conduta das pessoas em cada local. O que o experimento revelou? O carro abandonado na região pobre começou a ser vandalizado em poucas horas, levaram dele tudo que podiam. Já o carro abandonado na região rica, ficou intacto.
Após uma semana intacto, o carro da região rica foi alvo da própria equipe do experimento. Propositalmente quebraram um vidro do automóvel e logo desencadeou-se um processo de destruição do veículo, muito parecido com o que aconteceu com o carro abandonado na região pobre.
Por que um vidro quebrado foi capaz de gerar esse comportamento? A questão não estava no fato de estar em um bairro pobre ou rico, mas na psicologia humana e nas relações sociais.
Ao notar algo deteriorado, a ideia de despreocupação aparece e os códigos de convivência são quebrados, como se não existissem mais regras a serem seguidas, convidando todos a um vale tudo.
A partir desse experimento surgiu a teoria das janelas quebradas, concluindo que o delito é sempre maior nas zonas onde o descuido, a sujeira e a desordem existem. A partir do momento em que um vidro é rachado, as pessoas passam a reparar neles e, logo, estarão quebrados.
Gente que nem sabe onde está se metendo: a coragem coletiva
Recentemente eu fiquei sabendo de uma manifestação de alunos em uma universidade. Um caos foi criado naquele ambiente, vários protestos. Quando um dos professores decidiu perguntar a alguns deles se sabiam sobre o que estavam protestando, muitos deles responderam que apenas estavam ali, juntos, que sequer haviam lido o documento que causada a discórdia. Outros, disseram que não fizeram nada, apenas curtiram ou compartilharam um post, desconhecendo o fato de que no contexto atual isso é um tipo de endosso.
Mídias sociais, efeito manada e a coragem VIRTUAL coletiva
Nas mídias sociais o fenômeno existe é interessante de ser investigado - para não dizer assustador. Faça um post sobre um assunto não polêmico e note um curso calmo e tranquilo, até que um hater apareça e propositalmente queira ir contra ao que foi dito. Pronto, o efeito manada que provoca uma coragem virtual coletiva é iniciado e logo vemos a teoria das janelas quebradas acontecendo.
O curioso desse cenário é perceber que estranhamente as pessoas se sentem fortes e protegidas atrás de suas telas e que podem se tornar ainda maiores no coletivo, criando coragem de fazer algo que jamais fariam se estivessem sozinhas ou sendo vistas olho no olho.
Nas redes sociais, ambientes recheados de pessoas que tem a liberdade de publicar o que desejarem (o que não exclui a existência de um código invisível que deve ser respeitado de acordo com o nicho da ferramenta, tampouco o termo de uso assinado pelo usuário ao decidir usar o serviço), o efeito manada pode ser intensamente percebido. Quantas marcas e pessoas já não foram alvo e viralizaram depois que alguém iniciou uma caçada, provocada por um simples comentário que criou uma tragédia, que incentivou pessoas a levarem adiante algo que sequer tinham certeza ou que não era tão importante assim?
Ambientes virtuais estão cada vez mais perigosos. O ódio é intenso, apenas pelo fato de não poder olhar nos olhos do outro. A coragem cresce. E muitos não percebem que opinião é diferente de argumento. Que o espaço público acaba quando começa a privacidade do outro.
Diversos foram os casos de notícias falsas espalhadas que geraram retaliações a quem sequer tinha culpa sobre aquilo. E muitos outros casos de justiça feita com as próprias mãos, porque o tribunal criado pelos pertencentes do grupo da coragem virtual coletiva decidiram que era hora de agir.
Tudo o que fazemos nas mídias sociais fica gravado como uma tatuagem. E tatuagens são bem difíceis de serem apagadas. Neste contexto, podemos citar como verdadeiras tatuagens digitais. Tudo o que escrevemos e publicamos, tudo o que curtimos e compartilhamos fica registrado e são formas de concordar com o que estava ali exposto.
Para não ser uma vítima e ao mesmo tempo tornar-se um predador, analise seu comportamento. Perceba que atualmente o virtual é a extensão de sua vida real, não se trata mais de um ambiente protegido, avulso, que não interfere no restante. Analise o que você tem feito, pense bastante antes de decidir atacar alguém. Pergunte-se se sua opinião seria a mesma fora da internet e se você teria a mesma coragem de dizer o que diria atrás de uma tela ou motivado por opiniões alheias que, no fundo, não são as suas. Talvez você esteja sendo influenciado e ainda não percebeu. Mas talvez, também, apenas você seja responsabilizado pelo que outra pessoa iniciou e que o fez cair de gaiato. E nem era sua intenção.